Make your own free website on Tripod.com

O Chevette no exterior


O Chevette, assim como os demais carros de passeio produzidos pela GMB, é um projeto originário da subsidiária alemã da GM, a Opel, e que acabou tornando-se um “carro mundial”. Mas apesar do projeto estar sediado na Alemanha, ele contou com a participação de engenheiros de várias subsidiárias da GM, inclusive da brasileira.

Antes do seu lançamento, o carro era conhecido dentro da GM como "T-Car", termo até hoje utilizado pelos entusiastas para se referir genericamente ao Chevette e seus "clones".

Foi produzido de 1973 a 1979 na Alemanha com o nome de Opel Kadett-C, e na Inglaterra como Vauxhall Chevette, tendo sido exportado para os demais países europeus. Na Holanda, Bélgica e Finlândia, países em que a Opel é mais popular que a Volkswagen, o Kadett-C ainda tem milhares de fãs que se reunem em fã-clubes e congressos.

Nos EUA foi produzido entre 1976 e 1987 e vendido com duas marcas: Chevrolet (Chevette) e Pontiac (T-1000). Foi o primeiro "Chevy" compacto, lançado como uma investida à invasão dos japoneses.

Em países da América do Sul podemos também encontrar Chevettes pelas ruas, pois a GMB o exportou por vários anos para países como Chile, Colômbia e Bolívia. O modelo era o mesmo do destinado ao mercado interno, porém com pequenas diferenças de acabamento e motorização (o motor 1.4 continuou sendo produzido para exportação mesmo após ser retirado do mercado brasileiro).

Na Argentina o T-Car foi produzido de 1974 a 1978 com o nome Opel K-180. Era mais luxuoso e potente que a versão brasileira. Seu motor era 1.8, e a única carroceria disponível era a de quatro portas. Com o encerramento da produção argentina, o maquinário foi enviado para a fábrica brasileira, que não por coincidência lançou o Chevette quatro portas naquele mesmo ano. No final dos anos 80 o T-Car voltou à Argentina importado do Brasil e trazendo a marca GMC em vez de Opel.

O carro ainda foi produzido na Coréia do Sul com o nome de Daewoo Maepsy, na Austrália (de 1975 a 1984) com o nome de Holden Gemini e no Japão (Isuzu Gemini), os dois últimos com direção do lado direito.

O Chevette teve diferentes configurações de carroceria, sendo que cada região teve predileção por um tipo distinto. Na Europa o preferido era o coupé, que só existiu lá, embora também estivessem disponíveis o quatro portas, o hatch duas portas (City), a perua (Caravan) e o Aero (que tinha uma bizarra configuração semi-aberta). Nos EUA só o hatch foi produzido, com três ou cinco portas (que só existiu lá). No Brasil foi o sedan de duas portas o de maior sucesso, embora também tenham sido fabricadas as versões quatro portas, hatch três portas, perua e caminhonete.

É interessante notar que o Brasil foi o primeiro país onde o Chevette foi lançado e o último onde ele saiu de linha, tendo sido produzido por vinte anos (22 se forem computados os dois anos de "sobrevida" da Chevy 500).

 

  VOLTAR